• INCC

GC I Por que Jesus diz para perdoar 70x7?

Perdão gera perdão!

A parábola do servo que não queria perdoar.


Versículos: Mateus 18.21-35


“21Então Pedro, aproximando-se, perguntou a Jesus: — Senhor, até quantas vezes meu irmão pecará contra mim, que eu lhe perdoe? Até sete vezes? 22Jesus respondeu:— Não digo a você que perdoe até sete vezes, mas até setenta vezes sete. 23 — Por isso, o Reino dos Céus é semelhante a um rei que resolveu ajustar contas com os seus servos. 24E, passando a fazê-lo, trouxeram-lhe um que lhe devia dez mil talentos. 25Não tendo ele, porém, com que pagar, o senhor desse servo ordenou que fossem vendidos ele, a mulher, os filhos e tudo o que possuía e que, assim, a dívida fosse paga. 26Então o servo, caindo aos pés dele, implorava: “Tenha paciência comigo, e pagarei tudo ao senhor.” 27E o senhor daquele servo, compadecendo-se, mandou-o embora e perdoou-lhe a dívida. 28 — Saindo, porém, aquele servo, encontrou um dos seus conservos que lhe devia cem denários. Agarrando-o, começou a sufocá-lo, dizendo: “Pague-me o que você me deve.” 29Então o seu conservo, caindo aos pés dele, pedia: “Tenha paciência comigo, e pagarei tudo a você.” 30Ele, porém, não quis. Pelo contrário, foi e o lançou na prisão, até que saldasse a dívida. 31 — Vendo os seus companheiros o que havia acontecido, ficaram muito tristes e foram relatar ao seu senhor tudo o que havia acontecido. 32Então o senhor, chamando aquele servo, lhe disse: “Servo malvado, eu lhe perdoei aquela dívida toda porque você me implorou. 33Será que você também não devia ter compaixão do seu conservo, assim como eu tive compaixão de você?” 34E, indignando-se, o senhor entregou aquele servo aos carrascos, até que lhe pagasse toda a dívida. 35Assim também o meu Pai, que está no céu, fará com vocês, se do íntimo não perdoarem cada um a seu irmão.”

Versão Nova Almeida Atualizada (NAA)


Estudo anterior – Todos são importantes.

Parábola da ovelha perdida:


• Quem são os pequeninos que Jesus cita nesta parábola?

• Qual é o cuidado que Jesus tem sobre os seus pequeninos?

• Qual é a atitude de Jesus com relação aos que se extraviam/se perdem?

• Qual é a reação do Reino de Deus quando os extraviados são achados?

• Qual é a nossa responsabilidade dada por Jesus sobre os seus pequeninos?


Contexto da Parábola:


Essa parábola está na sequência da restauração de um irmão (versos 15-20). Para facilitar o entendimento da parábola do servo que não queria perdoar, Jesus trata primeiro sobre relacionamento com Deus e com as pessoas. Quando o relacionamento entre os irmãos está em ordem, há a presença plena de Jesus, sem qualquer preocupação.


Lidar com pessoas não é fácil e por isso talvez que o apóstolo Pedro pergunta para Jesus até quando se deve perdoar. Essa é uma pergunta que intrigava muitas pessoas naquela época, pois na cultura judaica, quando uma pessoa perdoava alguém três vezes, isso mostrava que era alguém perdoador, que não guardava falta de perdão no coração. O apóstolo Pedro pergunta para Jesus quantas vezes deve-se perdoar, sete vezes, sendo até generoso, pois três vezes já era suficiente para viver uma prática de perdoar.


Há alguns anos, Dale Carnegie escreveu um livro chamado: Como fazer amigos e influenciar pessoas, e ele diz: “Mas é preciso ter caráter e autocontrole para ser complacente e saber perdoar. “Um grande homem demonstra sua grandeza”, na opinião de Carlyle, “pelo modo como trata os pequenos.”


Saber perdoar é uma arte que precisa ser aprendida o quanto antes. No livro de Hebreus, o autor diz que a raiz de amargura traz muitos males à pessoa e aos que convivem com ela. Hebreus 12:15 “ 14Procurem viver em paz com todos e busquem a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor. 15Cuidem para que ninguém fique afastado da graça de Deus, e que nenhuma raiz de amargura, brotando, cause perturbação, e, por meio dela, muitos sejam contaminados.”


O que significa a raiz de amargura?



Amargura é literalmente sabor amargo, é uma pessoa cheia de mágoa ou ressentimento. É como um veneno contagioso que espalha ressentimento sobre os outros. É alguém que não consegue perdoar e ainda contamina outros falando mal dos outros. É muito difícil conviver com uma pessoa amarga, pois ela só fala e pensa no mesmo assunto.


No livro de Deuteronômio 29:18 “18Que entre vocês não haja homem, nem mulher, nem família, nem tribo cujo coração hoje se desvie do Senhor, nosso Deus, e vá servir os deuses destas nações. Que não haja entre vocês raiz que produza erva venenosa e amarga,”, Deus traz uma direção sobre a amargura. Não podia ter erva venenosa e amarga no meio do povo de Deus.


Na parábola do servo que não queria perdoar, Jesus fala de um homem que devia dez mil talentos, o que correspondia a 20 anos de salário e hoje estaria em cerca de US$ 6 bilhões de dólares, o que é uma dívida impagável. Na cultura judaica, quando alguém não conseguia pagar uma dívida, os filhos ficavam como pagamento pela dívida e seriam escravos daquela pessoa (foi o que aconteceu com a viúva em II Reis 4:1 “1Certa mulher, viúva de um dos discípulos dos profetas, clamou a Eliseu, dizendo:— O meu marido, seu servo, está morto, e o senhor sabe que esse seu servo temia o Senhor Deus. Mas veio o credor para levar os meus dois filhos como escravos.”), esse era o castigo por não poderem pagar as dívidas.


Então aquele homem, vendo que ia perder tudo, inclusive a esposa e os filhos, caiu aos pés do rei e implorava que tivesse paciência com ele pois iria pagar tudo o que devia. Aquele rei se compadeceu dele, mandou embora e perdoou toda a dívida.


Em seguida, esse mesmo servo que teve a sua dívida perdoada encontrou um dos conservos (Indivíduo que é servo, juntamente com outra ou com várias pessoas; criado, serviçal, servo.), que devia cem denários (o equivalente a US$ 12 mil nos dias de hoje). Ele agarra o conservo e começa a sufocar dizendo para pagar o que devia. O conservo teve a mesma atitude que o servo diante do rei, ele caiu aos pés e pediu para ter paciência que ele ia pagar tudo. Infelizmente o servo lançou o conservo na prisão até que pagasse toda a dívida.


Os companheiros que viram as duas cenas, estavam tristes de ver a atitude daquele que foi perdoado de uma dívida impagável e aquele que tinha uma pequena dívida, não foi perdoado. Diante disso, os companheiros foram falar com o rei. O rei colocou o servo na prisão até que pagasse toda a sua dívida e iria ainda ser atormentado pelos carrascos por não ter tido misericórdia após ter recebido misericórdia.

Jesus conclui a parábola dizendo que será assim também com o Pai, se cada um do íntimo não perdoar a seu irmão.


Alguns pensamentos sobre perdão dessa parábola:


1. Perdão gera perdão. Quando alguém perdoa, normalmente a outra pessoa perdoa também. É um alívio da alma, aquilo que estava prendendo alguém trouxe libertação ao coração da pessoa que pediu perdão e daquele que perdoou.

2. No Reino dos Céus é da mesma forma, aqueles que participam do Reino são aqueles que receberam o perdão total de Deus e o perdão para com o seu próximo.

3. O que Jesus fez pela humanidade é impagável. É a graça de Deus que alcançou a todos os pecadores, para viver uma vida longe do pecado.

4. Perdoe logo. Não fique com mágoas, ressentimentos, ira do seu irmão. É melhor perdoar logo, pois quem não perdoa acaba com uma raiz de amargura e consequentemente aparecem as doenças psicossomáticas (como depressão, insônia, dificuldade de se relacionar, e outras).

5. Perdoe do íntimo. O que Jesus está dizendo é que o perdão deve ser sincero (sem máscaras).

6. Tenha compaixão. A palavra compaixão significa “um sentimento piedoso de simpatia para com a tragédia pessoal de outro” ela é muito importante nesse contexto, pois se o servo tivesse tido compaixão do conservo, estava tudo certo. A falta de perdão é um problema muito sério e pode gerar males irreparáveis na vida de uma pessoa, pois espiritualmente falando existem os carrascos (Carrasco é o indivíduo responsável por executar uma sentença de morte. Por norma, a figura do carrasco está relacionada com diversos adjetivos pejorativos, como cruel, malvado, insensível ou perverso, pois este não aparenta demonstrar remorso ou sentimento de culpa ao executar o seu trabalho) que vivem atormentando aquele que não perdoa.

7. Quem perdoa, é perdoado. Jesus ensina na oração do Pai nosso, que aquele que perdoa é perdoado pelo Pai, mas quem não perdoa, também não é perdoado pelo Pai.


Como é importante perdoar. O perdão traz bênçãos sobre aquele que pediu perdão e sobre aquele que perdoou.